top of page
  • Foto do escritorFlabm

Ajuda Amorosa


Às vezes, a coisa mais nobre que você pode fazer por alguém é permitir que ele sofra e sinta o peso ou a alegria de suas próprias decisões (conscientes ou inconscientes).

Se bem que, você não tem que permitir nada, pois você não está aqui para controlar a vida de ninguém e nem colocar suas crenças ou expectativas na cabeça e na vida do outro.
(Não me interessa o quanto você jura e explique o quão boas são suas intenções, querido EGO)

Mas Flááááviaaaaaa....
Masss coisa nenhuma!!!
Mas nada!!!!
Guarde as explicações que você iria me dar agora tentando me convencer o quão conveniente e maravilhoso e importante é, você interferir na vida do outro, pois no fundo a realidade é que você, querido alecrim dourado, você julga o outro incapaz de direcionar a própria realidade, você o julga menor e ignorante, você julga que você faz melhor, sabe mais e é maior. Em outras palavras, você diminui a importância, a maturidade e o poder do outro, e toma para si coisas que não te dizem respeito!

Você pode sim ter compaixão, ajudar, ter empatia. Mas lindos, lindas e lindes: vocês não devem ter PODER nenhum sobre a vida do outro!!!!!! Por favor, entendam!

Saibam que um outro ser humano, assim como você, é responsável por si e dotado de todas as capacidades e recursos que precisa para evoluir!

Ver no outro um ser capaz, em vez de nos apropriarmos do seu problema, é um meio de ser útil a quem precisa de suporte para enfrentar os seus próprios problemas.

Abrir mão da pena e do "salvador que temos dentro de nós" (que somente enfraquece a pessoa a quem a direcionamos) é um desafio a ser vencido.
Querer interferir no processo de alguém é tirar o seu poder pessoal e aniquilar a oportunidade dessa pessoa crescer.

AAAA Flááávia, mas eu não suporto ver o outro sofrendo.
Pois é, aí é que está: não é uma dor sua para que você tenha que suportar nada, não tome para si o que não te pertence!
Basta pensar, quantas vezes foi a dor que te ajudou a crescer? A ter maturidade? Sabedoria? Discernimento? Consciência?
Por que cargas d'água você se acha no direito de tirar isso do outro?
Sim, infelizmente, e em vários momentos, todos nós, por ignorância na maior parte das vezes, só crescemos, evoluimos e aprendemos através do sofrimento. E isso também é uma escolha personalizada a cada um.

Colocarmos à disposição sem julgamento e sem intenção é um lugar de grande força para quando oferecemos ajuda.
E ajudar, da forma que o outro precisa, e não como queremos. E ainda, somente quando a ajuda for solicitada, respeitando o livre arbítrio, autonomia e individualidade do outro.

No fim, para podermos ajudar precisamos estar certos que não utilizamos o outro para distração dos nossos próprios problemas e com genuína vontade de contribuir e fazer o que é melhor para ele, e não para nós. É necessário um grande desprendimento e amor sincero para ofertar ajuda nesse nível de consciência. Estamos centrados e vazios de objetivo, doamos o que precisa e não o que desejamos. Não temos a responsabilidade de salvar ninguém, e ninguém pode nos salvar. Nos colocamos apenas como humanos cientes dos nossos limites e da força de um amor verdadeiro que faz parte de todos nós.

Enquanto houver movimento pelo amor em equilíbrio e respeito pela individualidade do outro, tudo flui bem! O ego então, dá espaço para a cura, e somente com amor genúino é que a ajuda é eficaz. E é importante lembrar, a ajuda só é bem-vinda quando solicitada.

Sei que às vezes tomamos para nós a dor do outro, como se fosse nossa. Nosso amor é tão grande que queremos libertar a pessoa. Porém, esse amor que interfere no poder do outro, é desequilibrado e ainda dominado pelo Ego e, portanto traz consequências negativas para nós e para os demais. Sua vida é sua responsabilidade, assim como a vida do outro é responsabilidade dele, e ele é livre para decidir o que quiser, da forma como quiser e arcar com os resultados disso. Defender e ajudar o outro, quando não foi solicitado e quando o fazemos da maneira nos parece correto (e não conforme o que o outro precisa), é se achar maior que o outro e sobrepor sua vontade e seu desejo perante o SER que o outro representa.

Eu sei que é desafiador demais entender isso quando vemos alguém que nutrimos afeto em sofrimento e quando acreditamos que podemos "salvá-lo". Mas o maior ato de amor que podemos fazer é permitir que a pessoa viva aquela dor, pois às vezes é a única forma que ele terá de sair desse lugar, evoluir, crescer e aprender, e nós não temos o direito de tirar isso das pessoas!

Por Flávia Borges Magalhães
@flabm
18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page